Menu

Biomagnetismo: Fibromialgia




E O TEMPO CONTINUA NOS DANDO A RAZÃO!!!
Um dos pares que são encontrados no rastreio de Biomagnetismo, em pessoas com fibromialgia é o par PALMA - PALMA.
Para nós Biomagnetistas, a causa desta enfermidade é o parasita chamado Plasmodium Vivax. Ele é a causa mais comum e disseminada de Malária.
Pois bem... leia o que recentemente os pesquisadores descobriram:



Fibromialgia não está tudo em sua cabeça, novas pesquisas confirmam.

Os pesquisadores descobrem uma fonte biológica racional de dor na pele de pacientes com fibromialgia.
[14 de junho de 2013, Rensselaer, NY]

A fibromialgia, uma condição dolorosa que afeta cerca de 10 milhões de pessoas nos EUA, não é imaginária depois de tudo, como alguns médicos acreditavam. Uma descoberta, publicada este mês em PAIN MEDICINE (the journal of the American Academy of Pain Medicine), demonstra claramente que a fibromialgia pode ter uma base biológica racional localizada na pele.

A fibromialgia é uma aflição severamente debilitante, caracterizada por dores generalizadas de tecido profundo, sensibilidade nas mãos e nos pés, fadiga, distúrbios do sono e declínio cognitivo. No entanto, o teste de rotina tem sido amplamente incapaz de detectar uma base biológica para a fibromialgia, e o diagnóstico padrão é baseado em avaliações subjetivas da dor do paciente, levando mais questões sobre a verdadeira natureza da doença. Durante muitos anos, acreditava-se que a desordem fosse psicossomática ("na cabeça") e, muitas vezes, atribuída à imaginação dos pacientes ou mesmo à falsificação de doenças. As terapêuticas atualmente aprovadas que fornecem alívio pelo menos parcial a alguns pacientes com fibromialgia são pensadas para atuar exclusivamente no cérebro, onde as técnicas de imagem detectaram hiperatividade de origem desconhecida referida como "sensibilização central". No entanto, uma causa subjacente não foi determinada, deixando muitos os médicos ainda estão em dúvida sobre as origens verdadeiras ou mesmo a existência do transtorno.

Agora, uma descoberta inovadora por cientistas da Integrated Tissue Dynamics LLC (Intidyn), como parte de um estudo de fibromialgia com base em Albany Medical College, forneceu um raciocínio biológico para esta doença enigmática. A pequena empresa de pesquisa em biotecnologia, fundada pelos neurocientistas Dr. Frank L. Rice e Dr. Phillip J. Albrecht, informa sobre uma patologia neurovascular periférica única consistente presente na pele de pacientes com fibromialgia feminina, que pode ser uma fonte direta dos sintomas relatados.

"Em vez de estar no cérebro, a patologia consiste em fibras nervosas sensoriais excessivas em torno de estruturas de vasos sanguíneos especializados localizadas nas palmas das mãos", disse o Dr. Rice, presidente da Intidyn e pesquisador sênior do estudo. "Esta descoberta fornece evidências concretas de uma patologia específica da fibromialgia que agora pode ser usada para diagnosticar a doença e como um novo ponto de partida para o desenvolvimento de terapias mais eficazes".

As terminações nervosas chegam de várias formas.

Três anos atrás, cientistas da Intidyn publicaram a descoberta de uma função desconhecida do sistema nervoso entre os vasos sanguíneos da pele no jornal PAIN.

Como o Dr. Rice explicou, "analisamos a pele de um paciente particularmente interessante que não possuía todas as numerosas variedades de terminações nervosas sensoriais na pele que supostamente representavam nosso senso de toque altamente sensível e ricamente matizado. No entanto, é interessante que este paciente tenha uma função surpreendentemente normal nas tarefas do dia a dia. Mas, os únicos achados sensoriais que detectamos em sua pele foram aqueles ao redor dos vasos sanguíneos ". O Dr. Rice continuou: "Nós pensamos anteriormente que essas terminações nervosas só estavam envolvidas na regulação do fluxo sanguíneo em um nível subconsciente, mas aqui nós tínhamos evidências de que as terminações dos vasos sanguíneos também poderiam contribuir para o nosso senso consciente de toque ... e também dor".

Agora, em colaboração com o renomado Dr. Charles E. Argoff especialista em neurologia e dor da Albany Medical Center, , o investigador principal do estudo e seus colaboradores, Dr. James Wymer, também na Albany Medical College e no Dr. James Storey, da Upstate Clinical Research Associates em Albany, NY, as propostas de pesquisa clínica foram financiadas por Forest Laboratories e Eli Lilly. Ambas as empresas farmacêuticas desenvolveram medicamentos aprovados pela FDA com funções similares (Inibidores da Recaptação de Serotonina / Norepinefrina, SNRI) que fornecem pelo menos algum grau de alívio para muitos pacientes com fibromialgia.

"Saber como essas drogas deveriam trabalhar em moléculas no cérebro", acrescentou o Dr. Albrecht, "nós tínhamos evidências de que moléculas similares estavam envolvidas na função das terminações nervosas nos vasos sanguíneos. Portanto, hipotetizamos que a fibromialgia pode envolver uma patologia nesse local ". Como os resultados demonstram, eles estavam corretos.

Para analisar as terminações nervosas, Drs. Rice, Albrecht e o pesquisador pós-doutorado Dr. Quanzhi Hou, usaram sua tecnologia microscópica única para estudar biópsias de pele pequena (menos da metade do tamanho de uma borracha de lápis) coletadas das palmas de pacientes com fibromialgia, que estavam sendo diagnosticadas e tratadas pelos Drs. Argoff, Wymer e Storey. O estudo foi limitado às mulheres, que têm mais do dobro da ocorrência de fibromialgia do que os homens. O que o time descobriu foi um enorme aumento nas fibras nervosas sensoriais em locais específicos dentro dos vasos sanguíneos da pele. Esses sites críticos são minúsculas válvulas musculares, chamadas camadas arteríola-vênulas (AV), que formam uma conexão direta entre arteríolas e vênulas (ver diagrama).



Como o Dr. Rice descreve sua função, "todos nós somos ensinados que o sangue oxigenado flui de arteríolas para capilares, que então transportam o sangue desoxigenado para as vénulas. Os shunts de AV na mão são únicos, pois criam um bypass do leito capilar para o principal objetivo de regular a temperatura corporal ".

Um termostato para a pele

Nos seres humanos, esses tipos de shunts são exclusivos das palmas das mãos e solas dos nossos pés que funcionam como o radiador em um carro. Sob condições quentes, os shunts se fecham para forçar o sangue nos capilares na superfície da pele para irradiar calor do corpo e nossas mãos ficam suadas. Sob condições de frio, os shunts se abrem, permitindo que o sangue ignore os capilares para conservar o calor, e nossas mãos ficam frias e colocam luvas.

Segundo o Dr. Albrecht, "o excesso de inervação sensorial pode explicar por que os pacientes com fibromialgia tipicamente têm mãos especialmente macias e dolorosas. Mas, além disso, uma vez que as fibras sensoriais são responsáveis pela abertura dos shunts, eles se tornariam particularmente ativos em condições de frio, que geralmente são muito incômodos para pacientes com fibromialgia ".

Um papel na regulação do fluxo sanguíneo em todo o corpo.

Embora eles sejam principalmente limitados às mãos e aos pés, os shunts provavelmente terão outra função importante que poderia explicar a dor profunda generalizada, o cansaço e a fadiga que ocorrem em pacientes com fibromialgia.

"Além do envolvimento na regulação da temperatura, uma proporção enorme de nosso fluxo de sangue normalmente vai para nossas mãos e pés. Muito mais do que é necessário para o seu metabolismo ", observou o Dr. Rice. "Como tal, as mãos e os pés agem como um reservatório do qual o fluxo sanguíneo pode ser desviado para outros tecidos do corpo, como músculos quando começamos a exercitar. Portanto, a patologia descoberta entre esses shunts nas mãos pode interferir com o fluxo sanguíneo para os músculos em todo o corpo. Este fluxo de sangue mal gerido pode ser a fonte de dor muscular e dificuldade, e a sensação de fadiga que se pensa ser devido a uma acumulação de ácido lático e baixos níveis de inflamação de pacientes com fibromialgia. Isso, por sua vez, poderia contribuir para a hiperatividade no cérebro ".

O Dr. Albrecht também aponta que as alterações do fluxo sanguíneo normal podem estar subjacentes a outros sintomas da fibromialgia, como o sono não repousante ou disfunções cognitivas. "Os dados parecem se encaixar com outras evidências publicadas que demonstram alterações no fluxo sanguíneo para centros cerebrais superiores e o córtex cerebral de pacientes com fibromialgia", afirmou.

A cadeira de pesquisa sênior do Alan Edwards Center for Pain Research, na Universidade McGill, Dr. Gary Bennett, comentou depois de ver os resultados que "é emocionante que finalmente tenha sido encontrada alguma coisa. Podemos esperar que esta nova descoberta conduza a novos tratamentos para pacientes com fibromialgia que agora recebem pouco ou nenhum alívio de qualquer medicamento ".

Esta descoberta de uma patologia de tecido distinta demonstra que a fibromialgia não é "tudo na sua cabeça", o que deve proporcionar um enorme alívio aos pacientes com fibromialgia, ao mesmo tempo em que altera a opinião clínica da doença e orienta futuras abordagens para tratamentos bem-sucedidos.



BIOMAGNETISMO, a terapia que realmente trata a causa das doenças

Biomagnetista João Carlos Magalhães
www.biomagnetismo.com.br



Fonte: http://www.intidyn.com/news-events/news/20-researchers-discover-a-rational-biological-source-of-pain-in-the-skin-of-patients-with-fibromyalgia-press-relase

Biomagnetismo: Artrite Reumatoide



A Artrite Reumatoide é uma doença crônica, inflamatória, cuja principal característica é a inflamação das articulações (juntas), embora outros órgãos também possam ser comprometidos.
A AR é uma doença autoimune, ou seja, é uma condição em que o sistema imunológico, que normalmente defende o nosso corpo de infecções (vírus, bactérias, fungos e parasitas), passa a atacar o próprio organismo (nesse caso, o tecido que envolve as articulações, conhecido como sinóvia). A inflamação persistente das articulações, e se não tratada de forma adequada, pode levar à destruição das juntas, o que ocasiona deformidades e limitações para o trabalho e para as atividades de vida diária. O tratamento adequado e precoce pode prevenir a ocorrência de deformidades e melhorar a qualidade de vida de quem tem a doença.
O quadro clínico mais visto é caracterizado por artrite nos dois lados do corpo, principalmente nas mãos, nos punhos e pés, que vai evoluindo para articulações maiores e mais centrais como cotovelos, ombros, tornozelos, joelhos e quadris, podendo chegar a se centralizar também na coluna. As mãos são acometidas em quase todos os pacientes.
O tratamento, segundo a própria Sociedade Brasileira de Reumatologia, assim como a doença, é crônico, ou seja, o uso de medicamentos será sempre prolongado, tanto porque na maioria das vezes os efeitos só começam a aparecer muito tempo depois de iniciar o uso, como porque mesmo quando há melhora, existe a necessidade de continuar fazendo uso de remédios para que os sintomas não voltem.
Para o Biomagnetismo existe a Artrite Reumatoide em si, e a Artrite Reumatoide Falsa, que seria uma condição em que o quadro clínico é igual, mas não há a doença verdadeiramente. Em ambos os casos já existem Pares Biomagnéticos específicos protocolados para a atuação da terapia, com histórico de excelentes resultados, principalmente com relação à sintomatologia dolorosa.
Lembrando que independente desses Pares específicos, é SEMPRE necessário um rastreio (avaliação) completo para que o tratamento não tenha furos.

Regiane Oliveira

Biomagnetismo: As Bactérias do Câncer Colorretal Favorecem a Metástase

Mais uma vez, os cientistas confirmam o que o Dr. Isaac Goiz Durán descobriu há anos:

"Las bacterias del cáncer colorrectal favorecen la metástasis"

Em 2008, ele publicou o livro "O Fenômeno Tumoral" e claramente indicou que metástases, são causadas por bactérias anaeróbias, principalmente por Clostridium e Pseudonomas Aeuroginosa.

A Fusobacteria (Fusobacterium Nucleatum) é uma bactéria anaeróbia.
Ele também afirmou que os tumores são causados por bactérias e vírus associados uns aos outros.

Com a sua descoberta, o Par Biomagnético em 1988, ele tratou com sucesso milhares de pessoas diagnosticadas com estas e muitas outras condições de saúde agressivas e não agressivas.


Muestras de tejido tumoral infectado con la bacteria


Matéria de Esther Armora - Barcelona - 23/11/2017 21:06h

Las bacterias del cáncer colorrectal favorecen la metástasis

El estudio, con participación española, abre la puerta a la utilización de antibióticos para impedir la expansión del tumor

Que el microbioma humano tiene un papel determinante en el desarrollo de determinados cánceres ya es sabido. El colorrectal es uno de ellos. Ahora, una investigación internacional liderada por el Dana-Farber Cancer Institute de Boston (EE. UU.), en la que participan científicos del Vall d'Hebron Instituto de Oncología (VHIO) de Barcelona, apunta, por primera vez, que las bacterias presentes en el tumor primario del cáncer de colon viajan a través de las células tumorales cuando hay metástasis, se instalan en el tejido metastásico, y lo colonizan.

Lo relevante del estudio, publicado en la revista «Science», es que «no solo que queda constancia de que las bacterias presentes en el tumor primario llegan al tejido metastásico a través de las células tumorales, sino que sugiere que estas bacterias pueden ser impulsoras de estas metástasis», según el profesor Paolo Nuciforo, investigador principal del Grupo de Oncología del VHIO. «Son solo indicios pero es importante dejar constancia de que existen, ya que, por primera vez, se apunta a que este microbiona tiene un papel activo en el crecimiento del tumor», señala en declaraciones a ABC el investigador principal del VHIO.

Varios estudios habían demostrado hasta ahora que en los tumores de colon hay una alta presencia de Fusobacterium nucleatum –un patógeno emergente, característico de la cavidad oral–. Sin embargo, ahora se ha apuntado su capacidad de trasladarse a otras zonas del organismo en un proceso de metástasis y también su posible rol como impulsor del proceso.

«Investigamos el papel de Fusobacterium y de su microbiota asociada en cánceres de colon humanos nativos. Para ello utilizamos cinco cohortes distintas e independientes de muestras de tumores colorrectales derivados de pacientes para la detección de la bacteria a través de su ARN y/o ADN», explica Nuciforo. Añade, en base a los resultados, que «el aumento de los niveles tumorales de esta bacteria se ha correlacionado con una menor infiltración de células T, con estadio avanzado de la enfermedad, con una peor supervivencia del paciente y con características clínicas y moleculares tales como la localización anatómica del lado derecho, la mutación BRAF y la hipermutación con inestabilidad de microsatélites».

¿Mero pasajero?

La pregunta que surge tras esos resultados es: ¿Es el Fusobacterium nucleatum un mero pasajero o un impulsor de la metástasis colorrectal? «La investigación sugiere abiertamente que tiene un rol activo en la expansión de la enfermedad», afirma el responsable del Grupo Molecular del VHIO.

Además de abrir esta nueva hipótesis, el trabajo da un paso más allá y demuestra en ratones avatar que un tratamiento antibiótico selectivo, dirigido a estas bacterias, combinado con el tratamiento quimioterápico podría frenar la expansión del tumor.

Nueva diana terapéutica

«El tratamiento de los modelos experimentales (ratones avatar) con metronidazol, un antibiótico selectivo contra Fusobacterium, dio como resultado una disminución significativa en el crecimiento tumoral, lo que nos da argumentos para apuntar a la modulación del microbioma en el tratamiento del cáncer colorrectal asociado a Fusobacterium», afirma Nuciforo.

«Estamos en una fase muy preliminar pero si este tratamiento llegara con el tiempo a la clínica, éste no sería una alternativa a la quimioterapia, sino un apoyo a esta terapia», aclara el investigador. «Nuestros resultados apoyan un papel causal de Fusobacterium nucleatum en CRC y proporcionan una base sólida para buscar nuevos enfoques terapéuticos dirigidos contra esta bacteria y otros componentes clave del microbioma del cáncer como parte de una estrategia terapéutica de apoyo al tratamiento de este tumor», concluye Josep Tabernero, director del VHIO y coautor del estudio.

Link para a matéria (em espanhol):
http://www.abc.es/sociedad/abci-bacterias-cancer-colorrectal-favorecen-metastasis-201711232106_noticia.html#ns_campaign=rrss&ns_mchannel=abc-es&ns_source=fb&ns_linkname=cm-general&ns_fee=0

Biomagnetismo: Comprovação Neurocientífica da Bioenergética



Palestra ministrada por Moises Goiz no 16º Congresso Internacional de Biomagnetismo.

Em seu experimento (no vídeo abaixo, em espanhol), Moises Goiz fez questão de usar palavras completamente desconhecidas previamente por ele, e pela paciente, durante a comunicação. Para isso, usou algumas palavras em latim, e sensações físicas para estabelecer um padrão e captar as imagens cerebrais geradas.

O ponto alto da palestra, foi o fato de ter ficado claro o poder da intenção do terapeuta, na hora de obter respostas certeiras do organismo do paciente, e essa intenção não é algo que remete apenas à "vontade de curar" o paciente. Não! É uma intenção séria, assertiva, muitíssimo objetiva, alcançada mediante treino exaustivo e muito estudo.

Moisés comprovou que quanto mais o terapeuta estuda, quanto mais sabe a localização exata de cada ponto, quanto mais sabe a função e características de cada estrutura que está rastreando, mais ele estará alimentando seu "banco de dados" com detalhes, e a medida que seu cérebro fica rico em informações, uma infinidade de padrões neurológicos são formados para cada informação, assim, a sabedoria corporal do paciente e as informações contidas em seu DNA, terão muito mais facilidade em encontrar as ondas cerebrais geradas pelo terapeuta, porque quanto mais se sabe, mais energia é formada, e ao se acessar o conhecimento, mais partículas atômicas são geradas, facilitando o encontro das informações que o corpo do paciente tem para nos passar, com nossas ondas mentais.

Nesse sentido, devemos ter em mente que as imagens mentais que formamos à medida em que estudamos e praticamos, cada vez que são acessadas durante o rastreio por exemplo, geram atividade elétrica e magnética (como em qualquer outra atividade corporal), e como o próprio termo magnético remete, poderão ser "atraídas" pelo organismo do paciente, nos dando informações precisas e certeiras de quais pares estão ativos ou não.

Resumindo, o que temos aqui na verdade, não é segredo: quanto mais você SABE o que está fazendo, mais sucesso você terá! Quanto mais você pratica o básico e domina a base, mais êxito você vai ter.

Simples. É por isso que professores sérios, que também sabem o que fazem, orientam tanto aos seus alunos terapeutas, que pratiquem exaustivamente primeiro, atendam inúmeras "cobaias", para só depois, aplicar a técnica profissionalmente.

No caso específico do Biomagnetismo rastreado só com ímãs, os padrões neurológicos formados e aprendidos durante o treino desta prática, irá permitir ao terapeuta que ao passar a trabalhar com Bioenergética, tenha um índice altíssimo de sucesso.

Como diz uma das publicações em Biomagnetismo:
"Nossas imagens mentais delineiam nossos êxitos terapêuticos, porque podem dar origem a intenções específicas. As intenções não são algo trivial, pois produzem padrões específicos de atividade elétrica e magnética no sistema nervoso do terapeuta que podem penetrar o corpo do paciente".

Agradecimentos à Regiane Oliveira.




Biomagnetismo: Mal de Parkinson pode ter ligação com bactérias no intestino

BIOMAGNETISMO, A MEDICINA DO FUTURO!!!

Palavras do Dr. Isaac Goiz Durán (descobridor do Par Biomagnético):
O TEMPO NOS DARÁ A RAZÃO!



Desde 1989, o Dr. Goiz vem informando a comunidade científica, que a causa de nossas enfermidades, são os microrganismos.

Aos poucos a verdade vem à tona...

Mal de Parkinson pode ter ligação com bactérias no intestino.
Conexão levaria ao desenvolvimento de novas terapias.


Dano progressivo no cérebro dos pacientes provoca tremores - Free Images


RIO - Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriu, com base em experimentos realizados em ratos, que o mal de Parkinson pode estar relacionado a bactérias localizados no intestino. O experimento foi detalhado na edição desta semana da revista “Cell”.

Espera-se que o resultado do levantamento, se confirmado em humanos, leve ao desenvolve de novas drogas, que matariam micro-organismos no intestino. O estudo, segundo os especialistas, abriria uma “emocionante nova avenida de estudos”.

O mal de Parkinson leva a um dano progressivo do cérebro, provocando tremor e dificuldade para movimento.

Os pesquisadores usaram ratos geneticamente programados para desenvolver Parkinson — os roedores produziam altgos níveis da proteína alfa-sinucleína, que é relacionada aos danos causados no cérebro pela doença.

No entanto, apenas os animais com bactérias no estômago desenvolveram sintomas. Os ratos estéreis permaneceram saudáveis.

Outros experimentos mostraram que o transplante da bactérias ligadas a pacientes com Parkinson para os ratos provocou mais sintomas do que o de bactérias extraídas de pessoas saudáveis.

- Este foi momento “eureca”, descreve Timothy Samson, pesquisador da Caltech. — Os ratos eram geneticamente idênticos, a única diferença era a presença ou ausência da microbiota intestinal. Agora estamos confiantes de que estas bactérias regulam, e podem até ser necessárias, para os sintomas de Parkinson.

De acordo com os cientistas, a bactéria libera substâncias químicas que ativam partes do cérebro, levando aos seus danos. A bactéria pode quebrar a fibra em ácidos graxos de cadeia curta. Estima-se que um desequilíbrio nestas substâncias aciona as células imunes do cérebro a causar danos.

Também envolvido na pesquisa, o professor Sarkis Mazmanian ressalta que seu grupo “descobriu pela primeira vez uma ligação biológica entre a microbiota do intestino e o mal de Parkinson”.

- A pesquisa revela que a doença neurodegenerativa pode ter sua origem no intestino, e não somente no cérebro, como se pensava — ressalta. — Esta é uma mudança de paradigma e abre a porta para novas possibilidades de tratamentos.

As trilhões de bactérias que vivem no intestino são fundamentais para a saúde humana, então retirá-las completamente não é uma opção.

Arthur Roach, da organização Parkinson's UK, ressalta que ainda é preciso comprovar o estudo em humanos.

- Este trabalho abre uma emocionante nova avenida de estudos. Ainda há muitas questões a serem respondidas, mas esperamos que esse trabalho leve ao desencadeamento de novas pesquisas, que revolucionarão os tratamentos para a doença.

Fonte: www.oglobo.globo.com

Biomagnetismo: Microrganismos - Arquea (Archaea)

Imagem relacionada

O domínio Arquea não foi reconhecido como um importante domínio de vida até recentemente. Até o século 20, a maioria dos biólogos consideravam que todos os seres vivos eram classificáveis como uma planta ou um animal. Mas nos anos 1950 e 1960, a maioria dos biólogos chegaram à conclusão de que este sistema não conseguiu acomodar os fungos, protistas e bactérias. Na década de 1970, um sistema de Cinco Reinos havia sido aceito como o modelo pelo qual todos os seres vivos podiam ser classificados. Em um nível mais fundamental, foi feita uma distinção entre as bactérias procarióticas e os quatro reinos eucariotas (plantas, animais, fungos e protistas). A distinção reconhece os traços comuns que os organismos eucarióticos compartilham, como núcleos, citoesqueletos e membranas internas.

A comunidade científica ficou compreensivelmente chocada no final da década de 1970 pela descoberta de um grupo inteiramente novo de organismos, a Arquea. O Dr. Carl Woese e seus colegas da Universidade de Illinois estavam estudando relações entre os procariotas usando sequências de DNA e descobriram que havia dois grupos distintamente diferentes. Essas "bactérias" que viviam em altas temperaturas ou produziram metano agrupadas como um grupo bem longe das bactérias usuais e dos eucariotas. Devido a essa grande diferença na composição genética, Woese propôs que a vida fosse dividida em três domínios: Eucariota, Eubactérias e Arqueobactérias. Mais tarde, ele decidiu que o termo Arqueobactéria era um nome incorreto, e encurtou-o para Arquea. Os três domínios são mostrados na ilustração abaixo, o que ilustra também que cada grupo é muito diferente dos outros.



Outros trabalhos revelaram surpresas adicionais, que você pode ler sobre as outras páginas desta exibição. É verdade que a maioria das Arqueas não parecem tão diferente das bactérias sob o microscópio, e que as condições extremas sob as quais vivem muitas espécies os tornaram difíceis de cultivar, de modo que seu lugar único entre os organismos vivos não foi reconhecido. No entanto, bioquimicamente e geneticamente, eles são tão diferentes das bactérias como você é. Embora muitos livros e artigos ainda se referem a eles como "Arqueobactérias", esse termo foi abandonado porque não são bactérias, são Arqueas.
















Encontrando Arqueas: As fontes termais do Parque Nacional de Yellowstone, EUA, estavam entre os primeiros lugares onde a Arquea foi descoberta. À esquerda é Octopus Spring, e à direita é Obsidian Pool. Cada grupo tem conteúdo mineral ligeiramente diferente, temperatura, salinidade, etc., de modo que pools diferentes podem conter diferentes comunidades de Arqueas e outros micróbios. Os biólogos retratados acima utilizam lâminas de microscópio de imersão na piscina fervente sobre a qual, algumas Arqueas podem ser capturadas para estudo.


As Arqueas são habitantes de alguns dos ambientes mais extremos do planeta. Alguns vivem perto de fendas no mar profundo a temperaturas bem superiores a 100 graus Celsius. Outros vivem em fontes termais (como as imagens acima), ou em águas extremamente alcalinas ou ácidas. Eles foram encontrados prosperando dentro dos tratos digestivos de vacas, térmitas e vida marinha onde produzem metano. Eles vivem nas lamas anóxicas dos pântanos e no fundo do oceano, e até prosperam em depósitos de petróleo profundos no subsolo.

Algumas Arqueas podem sobreviver aos efeitos dessecantes de águas extremamente salgadas. Um grupo de Arqueas que amam o sal, é a Halobactéria, uma Arquea bem estudado. O pigmento sensível à luz chamado bacteriorrodopsina, dá a Halobactéria sua cor e fornece energia química. A bacteriorrodopsina tem uma cor roxa encantadora e bombeia prótons para fora da membrana. Quando esses prótons fluem de volta, eles são usados na síntese de ATP, que é a fonte de energia da célula. Esta proteína é quimicamente muito semelhante ao pigmento de detecção de luz Rodopsina, encontrado na retina dos vertebrados.

As Arqueas podem ser os únicos organismos que podem viver em habitats extremos, como aberturas térmicas ou água hipersalina. Eles podem ser extremamente abundantes em ambientes hostis a todas as outras formas de vida. No entanto, as arqueias não estão restritas a ambientes extremos. Novas pesquisas mostram que os arqueólogos também são bastante abundantes no plâncton do mar aberto. Ainda há muito a aprender sobre esses micróbios, mas é claro que a Arquea é um clado de organismos extraordinariamente diversificado e bem sucedido.

O Dr. Isaac Goiz (descobridor do Par Biomagnético) está pesquisando as Arqueas e como elas podem afetar nossa saúde. Ele fez uma apresentação sobre estes microrganismos no 16° Congresso Internacional de Biomagnetismo no México. Está em busca de novos Pares Biomagnéticos para combater estes microrganismos.

Fonte: http://www.ucmp.berkeley.edu

Biomagnetismo: Estudo de Caso - Falência Ovariana Precoce




O presente trabalho foi apresentado pela Biomagnetista Regiane Oliveira, no 16° Congresso Internacional de Biomagnetismo.
Tem por finalidade expor a abordagem terapêutica de um caso de falência ovariana precoce (FOP), através da técnica de Biomagnetismo Médico.
São expostos aspectos gerais da FOP, que é definida como o desenvolvimento de hipogonadismo em mulheres antes dos 40 anos.
O leitor poderá ainda evidenciar as mudanças dos valores laboratoriais dos hormônios FSH e estrógeno, que são a base para avaliação da condição, após o início da terapia, bem como conhecer os aspectos que tornam o Biomagnetismo Médico eficaz no tratamento da mesma.


Falência Ovariana Precoce tratada com Biomagnetismo – Um estudo de caso
DOWNLOAD

Palestra de João Carlos Magalhães no 11º Encontro Holístico Brasileiro

Palestra de João Carlos Magalhães no 11º Encontro Holístico Brasileiro.
Biomagnetismo - A cura das doenças, através de campos magnéticos.

Curta e Compartilhe!!!


A contribuição da Quimioterapia Citotóxica nos 5 anos de sobrevivência em malignidades em adultos



Em 2004 a revista Clinical Oncology em sua edição de número 16, divulgou um estudo onde faz um comparativo entre Austrália e Estados unidos sobre a contribuição da Quimioterapia Citotóxica nos 5 anos de sobrevivência em malignidades em adultos.

Abaixo os assustadores resultados, mostrando a porcentagem de sobrevivência dos pacientes, após 5 anos do tratamento:

MORGAN, G et al. The Contribution of Cytotoxic Chemotherapy to 5-year Survival in Adult Malignancies.
Clinical Oncology (2004) 16:549-560

Austrália = 72.903 tratados. 2,3% de sobrevivência.
Melhor efeito: Câncer de testículo: 41% de sobrevivência.
Nenhum efeito: Melanoma, mama, próstata, bexiga, rins e cérebro.

Estados Unidos = 154.971 tratados. 2,1% de sobrevivencia.

Total: 227.874 tratados. 2,2% de sobrevivência.

Após estes números, você ainda pretende utilizar-se deste tratamento?


O Biomagnetismo possui inúmeros resultados positivos, no tratamento de neoplasias malignas.

Registro ITR - International Therapist Registry



Recebendo o número 11605, passei a fazer parte do ITR - International Therapist Registry (Registro Internacional de Terapeutas).

Um registro de terapeutas em nível mundial, dispostos a participar de eventos na área de ação social em seu país ou exterior, consolidando o apoio ao Departamento Terapeutas em Ação para se tornar um Departamento reconhecido pela ONU.

Ser terapeuta é amar o próximo!!!

Cone Hindu



O Cone Hindu, conhecido também como Cone Chinês, é uma terapia que tem como principal objetivo a desobstrução dos canais energéticos (limpeza do campo áurico), desobstrução do ouvido, nariz e garganta.

Trata-se de uma técnica popular passada de geração a geração. Utilizada há mais de três mil anos pelos hindus para limpar os ouvidos e canais respiratórios e pelas elites religiosas das grandes civilizações, como sacerdotes maias e monges tibetanos para obter centralização, alinhamento e harmonização de pensamentos, sentimentos, emoções e todos os demais aspectos que, quando em equilíbrio favorecem a conexão com a divindade, a comunicação com as esferas superiores.cone hindu

Não se sabe ao certo quem foram os percursores. Alguns dizem que foram os egípcios, tibetanos, hindus, chineses, xamânicos e por ai vai. Hoje, os “Cones de Ouvido” são usados em todo o mundo.

Como são produzidos?

Os cones são produzidos com cera de abelha, puro algodão e própolis.

Indicações:
Podem ser usados por bebes, crianças e adultos, desde que aplicado pelo profissional habilitado.

Contraindicações:
Processos cirúrgicos recentes, cisto nos ouvidos, mastoidite, corrimentos, osteosclerose, perda de audição congênita, tumores no ouvido.

Indicações para a utilização do Cone Hindu:

Alergias respiratórias.
Alinhamento dos Chakras.
Ansiedade, estresse, nervosismo.
Dores de cabeça e enxaquecas.
Eliminação de energia intrusa.
Estados de gripais.
Excesso de cerúmen.
Excesso de energia em pontos específicos.
Excesso de mucosidade (ouvido, nariz e garganta).
Falta de centralização energética, física e espiritual.
Insônia.
Labirintopatia.
Otalgias.
Perda de audição por bloqueio de secreções.
Redução olfativa.
Síndrome de Meniére.
Sinusite aguda ou crônica.
Tensão nervosa.
Tonturas sem causas definidas.
Zumbidos e vertigens.

Benefícios Terapêuticos do Cone Hindu:
Acalma o sistema nervoso.
Ativa a  circulação nos ouvidos.
Aumento da atenção, da percepção e da intuição.
Auxilia no redirecionamento da vida.
Cessa os sintomas físicos causados pelos desequilíbrios energéticos.
Desintoxica os sinus.
Desobstrui o ouvido, nariz e garganta.
Desobstrui o sistema linfático.
Eleva o padrão vibratório.
Estimula o SNC proporcionando clareza na audição e na visão, melhorando o paladar e o olfato.
Facilita o desenvolvimento mediúnico.
Fortalece o sistema imunológico.
Realinha os chakras.
Promove a centralização energética, emocional e espiritual.
Purifica a energia.
Traz clareza aos pensamentos.
Aplicação e Princípio de Funcionamento

Coloca-se a parte mais fina do cone na entrada do ouvido, em seguida, acende-se a outra extremidade. Assim que o fogo consome todo o oxigênio contido no interior do cone, inicia-se um suave processo de aspiração (pressão negativa por causa do vácuo). Esta aspiração juntamente com a fumaça e o calor, mobiliza todo muco acumulado nas passagens internas do ouvido, nariz e garganta. Esta mobilização de muco desobstrui as passagens internas, ajudando assim o organismo a se autorregular. Além de melhorar a audição por desobstruir o canal do ouvido, ele promove o equilíbrio emocional, sensorial, apura os sentidos e contribui para o desenvolvimento espiritual, uma vez que clareia a mente, aguça os sentidos e aumenta a sensibilidade e a intuição. Suas propriedades agem de forma a realizar uma limpeza profunda, retirando e transmutando as energias negativas, combatendo e prevenindo várias doenças. Ao terminar o processo de limpeza, podem ser visto no cone os objetos cristalizados que foram eliminados.

A terapia com os cones, além de tratar a visão, olfato, paladar, audição, promove processos energéticos que harmonizam os elementos do Ar e Água do sistema auditivo, tranquiliza o Shen (Mente) e ativa os meridianos.

Na Medicina Tradicional Chinesa, a saúde do ouvido está intimamente ligada às condições energéticas dos rins, e pertencem ao elemento água.

Na Índia é conhecido para “clarear a mente”, “retirar os maus espíritos” e “purificar os sonhos”.

Fonte: http://www.institutolongtao.com.br

Biomagnetismo - Única forma de avaliar a dismetria



Cada profissional com suas escolhas, eu João Carlos Magalhães fiz a minha, praticar e ensinar o mais puro Biomagnetismo.

Abaixo, trago a vocês as palavras de Moisés Goiz (filho do Dr. Isaac Goiz Durán), sobre as formas que ele mesmo chama de "exotéricas" de verificar o encurtamento ou alongamento com os polegares, mãos, pêndulos e outros que não sejam a única forma realmente correta de fazer essa medição, A DISMETRIA DAS EXTREMIDADES PÉLVICAS.

Se houver a ausência de membros pélvicos (ou parte deles), podemos utilizar outras formas, como utilizar os braços ou por antena (nível 2), mas somente estas são válidas, segundo o descobridor da técnica.
E por isso também, o "autorrastreio" é extremamente difícil de ser executado.

"He estudiado el fenómeno del acortamiento a nivel neuronal, de modo que he podido observar un fenómeno de diferencial eléctrico del hemisferio izquierdo respecto al derecho lo que a su vez ocasiona el acortamiento de todo el hemicuerpo derecho. De ésta forma he podido constatar, que solo el acortamiento de la pierna derecha responde a este mismo principio y muchos otros "métodos" como los famosos pulgares, péndulos y demás técnicas esotéricas realmente no y solo son formas de autoengañarnos. Realiza tus rastreos de Par Biomagnético únicamente midiendo la dismetría de las extremidades inferiores o en su defecto superiores."

Biomagnetismo e a Bioeletricidade



O Biomagnetismo normaliza a bioeletricidade do corpo.
Através de campos magnéticos e de forma indireta, ocorre uma autorregulação bioeletromagnética celular inteligente, o qual autorregula de maneira específica o pH em todos os tecidos do organismo por meio de si mesmo, especificamente nos locais onde são colocados os pares de ímãs para despolarizar o par biomagnético correspondente, mas todos sob um efeito indireto, tomando em conta a bioeletricidade do corpo humano.

Mas afinal, o que é a Bioeletricidade?
A eletricidade é um processo natural inerente a todo e qualquer sistema material, sendo a interação elétrica a interação central para se estabelecer a estrutura da matéria conforme hoje concebida. Todas as reações químicas, incluso as bioquímicas, são explicadas mediante a interação eletrônica dos átomos, moléculas ou íons.

Nos organismos vivos todas as células operam sob tal princípio; contudo células especiais no cérebro e em todo o corpo são melhor compreendidas apenas mediante explicitação direta de seu comportamento elétrico. As percepções de estímulos ambientais ligam-se diretamente a mecanismos biológicos de conversão de sinais estimulantes em impulsos elétricos reconhecíveis pelos sistemas do organismo. Cada padrão da luz, som, calor, dor, cada contração muscular dos dedos, cada pensamento, traduz-se em uma seqüência de pulsos elétricos codificado, armazenado e interpretado no sistema nervoso central dos organismo superiores.

Os processos elétricos que promovem esta comunicação entre as células ocorrem em uma solução, com as substâncias e elementos necessários dissolvidos na água. Quando uma substância como o sal (NaCl) se dissolve em água, ela deixa de existir como uma entidade neutra e se dissocia em íons (no caso do sal, ele se dissocia no cátion sódio, Na+, e no ânion cloreto, Cl-). Os átomos ou mesmo moléculas podem igualmente perder ou ganhar elétrons, tornando-se também íons .

Os íons possuem cargas elétricas positivas e negativas, e o movimento destes íons carregados dentro e fora da célula viva implicam movimento de cargas elétricas. Focando-se no neurônio mas podendo-se igualmente estender o raciocínio às demais células corporais, as organelas de uma célula neuronal encontram-se imersas no citoplasma, fluido aquoso encerrado pela membrana plasmática, no qual diluem-se várias substâncias, com destaque para moléculas proteicas e os íons de sais inorgânicos. Externamente, a célula é banhada também pelas substâncias diversas, entre elas as que alimentam a célula, criando condições para que essa possa realizar e manter seu metabolismo.

A habilidade das células nervosas em processar a informação elétrica depende das propriedades especiais da membrana celular, que controla o fluxo de substâncias entre o interior e o exterior da célula. Canais sobre a membrana permitem que certas substâncias e íons passem do meio interno para o meio externo da célula e vice-versa; alguns espontaneamente, outros sob imposição do mecanismo bioquímico atrelado ao canal. Os movimentos iônicos através dos canais são também influenciados pelo processo de osmose, promovendo a difusão das substâncias no meio aquoso. A membrana mostra-se assim, de forma ativa ou passiva, ou permeável, ou semipermeável ou impermeável a cada uma das substâncias em consideração.

O estudo destes mecanismos bioelétricos define a eletrofisiologia.

Fontes: Internet, Wikipedia.

Palestra: Biomagnetismo - A cura das doenças através de campos magnéticos

11º Encontro Holístico Brasileiro
Palestra:
Biomagnetismo
A cura das doenças através de campos magnéticos
Dia: 26/03 (Domingo)
Horário: 14:15

INSCREVA-SE GRATUITAMENTE -> http://bit.ly/2hmbDCk
Venha sentir esta energia!
De 24 a 26 de Março, no Centro de Eventos Plaza São Rafael em Porto Alegre!

Palestrantes e Programação:
http://giovanicherini.com/encont…/palestrantes-e-programacao